quinta-feira, 10 de maio de 2012

Madame Bovary - Gustave Flaubert


O que é real e irreal? Até onde as imagens bonitas nos iludem?

O amor de um médico pela filha de um fazendeiro em decadência. A menina prendada que sonhava com um casamento que possuísse o melhor da corte e vê naquele marido a possibilidade de mudar de vida. Encantada, talvez, com as estórias de amor e recortes de moda que ouvia e via. Possivelmente o claustro daquele local a tivesse impossibilitado de reconhecer realmente a vida.
Casa-se. Ama? Talvez. Decepções. Com certeza.
Longe de viver a vida que sonhou. Longe do luxo que desejava. Percebe o marido apático por conseguir dinheiro suficiente para os seus gostos. Desgosta-se e gasta. Gasta muito. Sente amores por um jovem e por um possível homem da nobreza. Devaneia-se. Nada concreto. Mas o marido a ama muito. Possuem também uma filha. Não gosta muito da menina. O marido nem desconfia. Endivida-se mais e mais. Quer fugir da sua vida, infelicidade e tristeza. Não consegue. Suicida-se. Família na miséria.


------------------------------------------------------


Até onde o bovarismo nos persegue? O capital nos ilude. A mídia igualmente. A frustração gira em todo da maioria dos indivíduos. Qual o sinônimo de alegria? Qual a real felicidade? O mundo gira em torno de aparências. Até onde nos deixamos influenciar?



"Emma Bovary c'est moi."

9 comentários:

Carolina. disse...

que post maravilhoso!
eu nunca li Madame Bovary, shame on me, mas tenho ele em algum lugar aqui de casa, e assim que terminar a trilogia do Senhor dos Anéis, vou trazê-lo a tona, essas questões sempre me interessam, gosto de ler sobre isso.

obrigada pelo comentário lá no blog. ;)

:*

Camyla disse...

Adorei o texto e o ótimo posicionamento sobre o assunto.

Marina Menezes disse...

Muito bom o post, Roberta.
A mídia nos ilude muito né. O livro parece ser bom, gosto desse tipo de tema. Se um dia ler, conto o que achei.

Marlon Assis disse...

Esse livro tem uma estória mais próxima da nossa realidade. Livros como Iracema que tem aquele amor utópico não é muito interessante para ler. Esse vai ficar na minha lista de livros a serem lidos. ;)

Folheando Pensamentos disse...

Eu tbm tenho este livro, mas acabei não lendo porque sempre colocava outros títulos como prioridade. Mas vou anotar a sugestão ...quem sabe não leio no feriado.

Abraços

Alien disse...

Gostei dos seus questionamentos. Realmente algo para refletirmos nos dias de hoje que, por vezes, valoriza apenas o que temos ao invés do que somos.

Nicolas disse...

Nunca li o livro, mas o texto que você escreveu em volta dele me deixou curioso rs Realmente, "frustração" é uma palavra perfeita para descrever o mundo atual.

Tatah B. disse...

eu nunca li madame bovary,mas tenho uma boa coleção com os classicos ainn to adorando esse clima vintage que o blog vem ganhando!

Anônimo disse...

Fiquei muito feliz com seu post nunca tinha lido uma resenha antes.
Eu li esse livro até a primeira parte mas confesso que achei HIPER cansativa a maneira que foi escrito apesar de estar amando a historia, ou eu que era muito nova. Mas com certeza é um livro que morro de vontade de terminar.
Parabéns pelo post, adorei sua posição de pensamento!!!!
Beijos

Helena - https://hassdc.wordpress.com