terça-feira, 12 de abril de 2011

Etérea


Estou presa a eternos sonhos, mas nada é por acaso. Sonho com a aurora, com minha identidade e tantas outras coisas que me fazem sentir mais viva do que engrenagens diárias.

Preciso saber quem sou e aqui não será uma fuga, triste prisão de pesadelos, liberto o negativo com destreza e sumariamente exijo meu desejo pela vida.

E o que seria da minha sem o eterno desejo do etéreo?


Enlaçando-me nessa névoa

Abraço-a com serenidade

Sublimo em seu centro lentamente

Adormecendo em seus braços

E nessa busca pelo conforto

A imagem assemelha-se a uma dança

Para encontrar o que há em meus sonhos

Para encontrar minhas esperanças

Partículas vão sendo dissipadas

Começando pelos membros inferiores

Sob efeito dócil e suave

Pedaços meus são desfeitos

Sinto a natureza cada vez mais envolta

Já não estou presa em uma matéria densa

Como é bom sentir-me livre!

Como é boa essa plenitude!

Tendo a essência sendo revelada

Em uma decodificação fantástica

Nesse misto de emoções magníficas

Encontrando minha alma

4 comentários:

Laura Brandão disse...

Adoro teus poemas. Simples e verdadeiros, como deveriam ser todos os poemas e todos os poetas.
Abraços e Ótima Semana!

- Bruh ★ disse...

Adooorei este post!
Vc se expressa e escreva muito bem
Gostei
Bjs

http://bruhworspite.blogspot.com

Kati Froes disse...

Entregar-se aos sonhos sem medo.
Com desejo e alegria de viver.

É tão bom sentir-se assim!

- Bruh ★ disse...

Olá!
Passando para agradecer o comentário positivo!
Serviu e servirá muito como apoio qdo rolar a operação
Obrigada linda.
Bjs

http://bruhworspite.blogspot.com/